segunda-feira, 10 de abril de 2006

Um bom começo

Finalmente, depois de algumas tentativas frustradas, pude começar as entrevistas para o meu TCC, uma série de reportagem para rádio sobre Pais homossexuais.
Esse sábado, muito gentilmente a Karla e a Jéssica me receberam em sua casa em um bairro residencial. Na porta, dois avisos: Essa casa tem Amor, Paz e Harmonia e uma bandeira do Arco-Íris, símbolo do movimento GLBT, pendurada em uma casinha de passarinho.
De um casamento de quatro anos de Jéssica, nasceu a Pietra. Quando a menina tinha dois anos, seus pais se separaram e seis meses depois, Jéssica começou a namorar com Karla. Um ano depois elas alugaram uma casa e foram morar juntas. Isso faz quatro anos e no último Dia das Mães, a Pietra fez dois presentes para as suas duas mães.
Para a Pietra entender que Karla e Jéssica namoravam, Karla mostrou para a menina os filmes A Bela e a Fera e Shrek.
- Viu só, a gente fica com quem a gente ama e não com quem querem que a gente fique. E a gente ama independente de cor, dinheiro ou sexo.
Agora, a Pietra espera ter uma irmãzinha ou irmãozinho. Um filho da Karla e Jéssica concebido por inseminação artificial. Elas ainda estão decidindo quem irá gerar a criança.
Os pais da Jéssica romperam com ela. Mas, a mãe da Karla adotou a Pietra como neta e cuida dela enquanto as mães vão trabalhar.
Pietra chegou a perder a amizade da coleguinha Bia depois que contou que tinha duas mães. Os pais dessa menina a mudaram de classe e proibiram que ela fosse ao aniversário da Pietra. Com apenas sete anos, Pietra teve de aprender a selecionar as amizades precocemente. Mas, tem a resposta pronta para virar essa situação. - Você tem uma mãe? Azar o seu. Eu tenho duas.
A Pietra tem tudo como uma criança gostaria de ter. Riso fácil, muitas amiguinhas, estuda em uma escola particular, faz balé, ganha festinha de aniversário, tem duas cadelas, tem seu próprio quarto e quando crescer quer ser veterinária.
Assim como as outras crianças, Pietra tem pai e o vê quinzenalmente. Ele, revoltado ao saber que sua ex-esposa vive com uma mulher, chegou a ameaçar pedir a guarda da menina. Mas, Jéssica diz que ele não está interessado em cuidar realmente da menina, assim como elas cuidam, mas em provocar Karla. -Eu já disse que eu deixo ele ficar um mês com a Pietra, mas tem de levar na escola, fazer lição, colocar para dormir no horário, tudo o que a gente faz. - Ele nunca pediu esse mês.
Karla acredita que os avós e o pai de Pietra esquecessem do lado da menina. - Não querem saber se a Pietra gosta de mim ou não, ou se eu cuido bem da Pietra, mas no que os outros dizem. Vivo com a Pietra há mais tempo do que o seu pai viveu e uma separação seria muito dolorosa.

2 comentários:

Francini Barbosa disse...

Eba! Estava ansiosa pra acompanahr seu trabalho! Quer dizer que o formato vai ser p/ rádio? Legal!

Gostaria de saber como foram essas "tentativas frustadas" que vc falou.

Beijão linda!

Homossexual e Pai disse...

A Pi é uma menina linda, e tem personalidade suficiente para vencer todos os obstáculos! E vai ser uma gata quando crescer!
beijos!