quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Novidade na literatura infantil

Não sou paga pau de gringo. Mas, essa notícia despertou minha admiração. O livro infantil "And Tango Makes Three"(Com Tango, Somos Três) vendeu 15 mil exemplares. A publicação conta a história real de dois pingüins machos, que dispensaram as fêmeas, formaram um "casal", chocaram um ovo descartado e ganharam uma filhote adotiva em pleno zoológico do Central Park, em Nova York.

A história dos pingüins gays pode escandalizar alguns, mas o mais importante não é chocar, mas ensinar a tolerância e a diversidade, e principalmente, encarar o diferente com naturalidade e fazer com que novas gerações entendam que homossexualidade não é doença.

Sucesso de vendas improvável em outros países, o fenômeno é típico dos Estados Unidos, o país do gayby boom (trocadilho com baby boom), onde 21% das lésbicas e 5% dos gays têm filhos biológicos ou adotivos e onde aproximadamente 3,5 milhões de crianças vivem em lares de casais do mesmo sexo. Aqui no Brasil, os números são menores, mas também surpreendem. Em pesquisa feita na Parada GLBT de São Paulo (a maior do mundo) em 2005, cerca de 13.5% dos entrevistados declararam ter filhos. Se levarmos em conta que estavam presentes 2.5 milhões de pessoas, chegamos a um número de quase 340 mil pais e mães gays, só no evento.

O número de publicações de livros infantis com tema gay crescem sem parar desde o final dos anos 80. A lista já conta com 71 títulos como: Daddy's Roommate ("O Companheiro do Papai") que conta a história de um menino que conhece o parceiro de seu pai e mostra os dois dormindo na mesma cama, passando bronzeador na praia e comendo pipoca abraçados no sofá da sala; "The Sissy Duckling" (O Patinho Afeminado), fala de um patinho que não leva jeito para esportes, adora assar biscoitos e usa óculos cor-de-rosa e que no final diz ser gay com mto orgulho; Carly: She's Still My Daddy ("Carly Continua Sendo Meu Pai"), que conta a história de um pai que muda de sexo; e King & King (Rei e Rei), a história do príncipe que não gostava de princesas e acabou se casando com outro príncipe. King & King foi lançado em cinco países (Holanda, Alemanha, Dinamarca, Espanha e Estados Unidos) e ganhou continuação, King & King & Family.

Um comentário:

Francini Barbosa disse...

Cada dia que passa escrevendo melhor! :)

Gostei do post, nem imaginava isso.

Mas discordo da pesquisa da parada gay, porque nem todo mundo que vai na parada é gay... Acho que os números não são esses, mas devem ser grandes também.

um beijo querida!!!