quinta-feira, 27 de março de 2008

Machismo na política I

No dia 9 de março, a Folha de S.Paulo publicou uma matéria com as três candidatas a Prefeitura de Porto Alegre: Luciana Genro (PSOL), Manuela Davila (PC do B) e Maria do Rosario (PT). A reportagem tratava dos preconceitos que elas já sofreram na vida política por serem mulheres. Fiquei feliz porque descordo que tenham sofrido preconceito, e matéria me pareceu até um pouco forçada para se encaixar na pauta proposta.

Maria do Rosario reclama por ser chamada de Mariazinha. Para ela o diminutivo tem duas vias, pode parecer carinhoso, mas soa pejorativo e como diminuição. Ela até tem razão. Porém vários outros colegas de partido dela utilizam diminutivo em seus nomes masculinos, como Professor Luizinho, Zezinho do PT, e outros. Logo, pode até ser uma ofensa ou preconceito ser chamada de Mariazinha, mas não é exclusivo para mulheres.

Luciana Genro reclama por ser comparada ao pai, por acharem que suas conquistas não foram por suas capacidades, mas por seu sobrenome abre caminho. Preconceito, sem dúvida. Mas não diferente do que outros filhos de políticos já passaram, como o ACM Neto. Ele até pode querer a comparação, que Luciana se ofende. Mas mais uma vez essa comparacão não é exclusiva para mulheres, logo não é machismo.

Manuela Davila reclama por ser considerada a musa do Congresso. Bem, Manuela é jovem e bonita. Acharem uma mulher bonita não é machismo, mas sem dúvida é preconceito ser reconhecida por isso e não por seus feitos. Porém, Lindberg que tem uma trajetória parecida com a dela (ambos vieram da UNE) também é jovem e bonito e durante sua campanha para a Prefeitura de Nova Iguaçu, foi apelidado de Lindoberg. Preconceito, pode ser, mas não é machismo, né. Que bom!

2 comentários:

Fábio disse...

O mais legal é que as três candidatas em Porto Alegre se definem como "de esquerda", né?

O duro é que chamar qualquer membro do PT de esquerdista, hoje, é piada de salão. E que a linda da Manu (ahhhh, Manu...) faz parte do partido político mais vassalo do próprio PT de que se tem notícia.

De esquerda, pra valer, aí, só mesmo a Luciano Genro. Essa honra a raça!

Fábio disse...

Ops: a LucianA Genro. :)