terça-feira, 13 de maio de 2008

Quem ama, deixa-o

Acaba de pedir demissão, uma das últimas pessoas respeitadas que compõem o governo federal. Marina Silva é a política que tenho orgulho de ter como representante. Corajosa, convicta, articulada, respeitada internacionalmente e por intelectuais, com uma trajetória heróica, e tem o ambientalismo correndo na veia e conhecimento prático sobre o tema. Acho que o governo nem se deu conta do que perdeu, na verdade, eles perderam um impecilho ao PAC. Mas quem perdeu na verdade é o país e a Amazônia.

Mulher de fibra que é, Marina criticou ainda essa semana os investimentos em biocombustíveis com lucidez admirável. "O Brasil não quer ser a Opep dos biocombustiveis. Queremos dar nossa contribuição em relação aos biocombustíveis, mas observando nossa capacidade de suporte. E de forma que não comprometa a segurança alimentar nem a questão ambiental"(...)"Nossa economia depende 50% da nossa biodiversidade. Quem destruíria sua galinha dos ovos de ouro?"

Marina nasceu no Seringal Bagaço, no Acre. Trabalhou como empregada doméstica, alfabetizou-se em supletivo, formou-se em História pela Universidade Federal do Acre (diferentemente do Lula, ela tem orgulho da origem simples, mas nem por isso deixou de estudar). Em 85, filiou-se ao PT e participou do movimento dos seringueiros. Fundou a CUT no Acre junto com Chico Mendes (pra mim, o herói brasileiro que merecia feriado e ser ensinado na escola). Já foi vereadora, deputada estadual, senadora, sempre como a mais votada. A ministra agora volta ao Senado.

2 comentários:

Fábio disse...

Assino embaixo. Aliás, vai ganhar link no pitaco que dei no meu blog sobre a lamentável demissão da Marina.

Deprimente, né?

Fábio disse...

Assino embaixo. Aliás, vai ganhar link no pitaco que dei no meu blog sobre a lamentável demissão da Marina.

Deprimente, né?