terça-feira, 17 de junho de 2008

Não anulo

Já que as eleições estão aí e as opções vão de mal a muito mal, sempre tem alguém defedendo o voto nulo. Eu sou veementemente contra. Não anulo. Já que tenho o poder de decisão, quero exercer (aliás se eu corro atrás de pesquisa de opinião, imagina uma eleição, então, meu extase). Mas o Marcelo Tas argumenta muito melhor que eu, então vou deixar com ele.

"Acho uma burrice. Serve para nada, é exatamente o que diz: é nulo. Não tem esse papo, “agora não vou mais assistir a TV”. Eu nunca saio da água! O treinador de natação diz que para aprender a nadar você nunca deve sair da água. É muito cômodo dizer “agora irei ficar uma semana sem treinar”. Não adianta sair da água na hora em que você não está bem. Não aprende a nadar, entendeu? E o Brasil é um país que exige da gente dedicação, tolerância, afetividade. Não se pode tratar com displicência o bairro, o país, a sociedade. Sou um cara patriota, sabe? Sinto que dou uma contribuição para o país. Da minha maneira".

Marcelo Tas numa entrevista deliciosa para a Trip. Ela tá completa aqui.

3 comentários:

Fábio disse...

O Marcelo Tas é ótimo mesmo, e está cada vez melhor agora com o tal do CQC, né?

Eu também sempre fui contra o voto nulo. Até 2006, quando apertei "99" no segundo turno entre Lula e Alckmin, hehehe.

Hoje acho que, quando não se vê NENHUMA diferença entre as duas opções, o voto nulo é perfeitamente justificável. Foi o meu caso em 2006, mas certamente não será em 2008. Espero.

Judson disse...

Li essa entrevista na própria Trip, e estava há um tempão querendo te falar dela... rs. Too late.

Francini Barbosa disse...

As pessoas perdem mais tempo pesquisando que celular comprar do que comparando candidatos.

Já tentei assistir esse tal de CQC e não consegui. Depois vejo a entrevista na Trip.

bjo