segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Minha princesa


Talvez a coisa mais invejável que eu tenha nessa vida seja a cumplicidade com minha irmã. Um elo forte, um amor enorme que me deixaram com vários nós na garganta nesse fim de semana.

Ela era a boneca mais bonita que eu já tinha visto quando a vi chegando no colo da minha mãe e ontem, novamente, ela parecia uma boneca de porcelana. Tão branquinha, linda, apaixonada, segura e radiante. Fiquei tentando lembrar quando ela deixou de ser a menininha que ficava escondida de todos atrás de mim, me puxando pela barra da camiseta, falando em tom inaudível para que somente eu pudesse ser sua voz, para se tornar a mulher que anda sempre à frente, puxando-me pela mão, pisando firme no chão e que invejavelmente, sabe tudo o que quer e o que não quer.

Ontem, ela estava assim, plena. Solta na pista de dança como nunca tinha visto. E eu ficava ali ao redor dela, quieta da forma que nunca sou. Queria vê-la brilhar. Queria que ela soubesse que eu estava ao lado dela. Queria capturar aquele momento dela. E queria  que meu olhar pudesse abençoar a felicidade dela para sempre.

Hoje, acordei com o telefone tocando e cama ao lado da minha vazia. Torcia para que fosse ela, para fofocar sobre a festa de casamento, mas não era. Não via a hora de ligar para ela em sua nova casa, mas sabia que seria inconveniente. Até que ela finalmente ligou e meu mundo ficou completo.

É muito especial ver um casal como a Drica e o Thiaguinho. Eles me fazem ter fé no amor. Ao longo dos anos de namoro, ele já fez dela alguém visivelmente melhor, mais tolerante, mais doce, mais feliz. Um casal de lealdade e afinidade ímpar, que depois de seis anos se casaram simplesmente por amor e com olhos apaixonadíssimos. Eles mostram pra mim todos os dias, que o cotidiano cinza também tem toques de contos de fadas e me emociona ver que é a minha pequena princesinha quem protagoniza a história.

2 comentários:

Fábio disse...

Parabéééééééééééééns!!!

Que história linda, Mi. Felicidades ao casal!

Por Inteiro disse...

Linda história! Lindo texto! Não percamos o romantismo ;-) Beijos!