quinta-feira, 29 de dezembro de 2005

A minha Galera


Ontem, revi a Mariana Galera. Que já foi minha confidente, meu saco de pancada, um ídolo, minha mãezona, meu aconchego pelos três melhores anos da minha vida. Depois ela mudou de cidade e nos afastamos muito, muito mesmo. No começo foi difícil. Fiquei sem chão, sem refúgio. As vezes nos encontravamos e era muito bom, e raro. Valia a pena só de ver que ela continuava linda e forte como sempre. E continuava ali para me pegar no colo e me rodopiar.
Mas, nas últimas vezes sentia um estranhamento. Como se o assunto fosse acabar, de tão longe que estavamos, como se nossas mentes também estivessem se afastando. Achei que uma já não era mais parte da outra e o que ficava era apenas uma lembrança muito especial de boas experiências: da árvore redonda, do Bolachão (coisas que só quem é da ETESP sabe), das confidências no metrô, dos risos exagerados e dos muitos suspiros e estresses de vestibular.
Ontem, fiquei muito feliz. Eramos eu e ela de novo. Nós mesmas, sem as máscaras que temos que usar para outros, com riso largo e com confidencias, abraços, discussões. Um dia foi pouco. Mas, ela já volta pra a sua louca correria e eu também.
De tudo, ficou uma frase que ela me disse que não me recordo por completo, mas era mais ou menos assim: Eu sou eu, você é você, não preciso atender as suas expectativas e você não precisa atender as minhas. Mas, quando a gente se encontra é muito bom.
Acho que essa frase também tem a ver conosco minha amiga Mariana Galera.

2 comentários:

Francini Barbosa disse...

Eba! Começou o blog, que bom! Gostei bastante Mi, já sou sua leitora! Beijão pra ti linda!

Francini Barbosa disse...

Ah! que tal fazer um "Diário de um TCC" parte I, II e por aí vai? Aliás, me mantenha informada, ok?
Bjus!