quarta-feira, 16 de maio de 2007

Blogolatra

Embora não cuide tão bem desse cantinho, assumo sou viciada em blogs. Acesso todas as manhã vários. As vezes tenho mil coisas a fazer, mas é mais forte do que eu. Não consigo conter minha curiosidade de ver o novo post, os comentários feitos, é como se o dia não tivesse ainda começado. Entro no Blogger e clico em qualquer nome de blog atualizado que apareça. Adoro ver como as pessoas exercem sua liberdade de expressão. Faço comentários em blogs que desconheço. Considero a Soninha minha melhor amiga e o Felipe Machado minha paixão virtual.

Trabalho com comunicação corporativa de uma empresa de tecnologia. Preciso pensar o tempo todo na forma mais eficiente de ligar a empresa aos funcionários. Hoje, depois de muita resistência, um dos executivos lançou seu blog corporativo. Estou apostando na eficiência do veículo e ele que sempre mandou e-mails em massa para seus funcionários fez uma alusão que achei ótima. "O e-mail está para os adolescentes como o memorando em papel está para a minha geração" (ele tem uns 40 anos).

E artigos em internet? Fico procurando o botão de comentários. Artigos combinam com impressão, uma coisa estática e que para mim tem os dias contados.

Se eu estou conectada a uma rede que tem pessoas do outro lado, quero participar, quero discutir, blogar, comentar, debater, participar de chats, foruns. Artigos são pouco democráticos, impõe apenas a opinião do escritor, desconsiderando o leitor. Além disso, são distantes e formais. Por exemplo, o Noblat, o Josias de Souza, falam pra mim, enquanto uma Kennedy Alencar, uma Eliane Cantanhede me parece sem interlocutor, falando quase que para o seu editor. n

Outro ponto, discute-se muito que os jornais impressos tem os dias contados, mas a publicidade ainda investe muito mais neles do que na internet. E por que? Porque também se pensa a publicidade estática e impositiva. Compre isso! Vista aquilo!

Para mim, um grande exemplo de eficiência de publicidade é a campanha do HSBC "Sou assim e sou feliz" - os banners e pop-ups permitem que o internauta faça um teste sobre seu perfil, ou seja, é todo interativo, personalizando a propaganda e os produtos do banco. E ainda posso mandar histórias e votar na que eu mais gostar. A intenção é persuasiva, como em qualquer propaganda, mas agora é como se a Dona Elvira, que tem características como a minha, levassem um papo comigo. O melhor, dessa vez eu posso responder.

obs:Um especialista em Web 2.0 me contou que apenas 1% dos visitantes comentam blogs. Me animei ao saber disso.

3 comentários:

Fábio disse...

Noveleira, viciada em blogs... Hummmm, quase não sou assim.

:)

Lena disse...

Fabio, sou uma versão sua de saia. Só tô esperando a fama chegar pra mim também. Hehehe.

Francini Barbosa disse...

Oi flor!

Ótimo post. Gostei da idéia do blog, vou sugerir na Anhembi também. Poderia me passar algumas informações do projeto?

bjos