quinta-feira, 26 de junho de 2008

Coração Sertanejo

Depois de defender o funk, vou em defesa do sertanejo. Não que seja meu estilo favorito, mas o fato é que Zezé di Camargo e cia merecem respeito e admiração. Zezé é um dos artistas que mais compõem no Brasil. Qualidade questionável? Pode ser, mas eu sinceramente me arrepiei quando ouvi a Maria Bethania cantando "É o amor". E acho lindo "Você é a paz que eu preciso pra sobreviver". E atrevo-me a dizer que canções interpretadas por Xororó conseguem ter riqueza de imagens em suas letras, como "Fio de Cabelo" e "Nuvem de Lágrima".

E olha, não dá pra qualquer um sair cantando essas músicas, não. Tem que ter força no gogó e colocar muita emoção. Por isso que se diz até que eles cantam chorando. Ué, quem não choraria ao encontrar o tal fio de cabelo? Se não cantar chorando é porque não é interprete, mas um cantorzinho qualquer. E mesmo que esse estilo de cantoria não lhe agrade, não se pode dizer que Xororó e Zezé sejam cantorzinhos, o que eles tem chama-se talento. Eles não ganharam o que ganharam por serem filhos de alguém ou somente por um bom marketing (o que acho que ocorreu com o Leonardo no início de 90). Eles são extremamente afinados e tem uma voz potente como poucos.

Em um artigo ao Estadao, Zezé dizia que as mesmas pessoas que o criticando como "sertanojo", enchem a boca pra dizer que admiram Pena Branca e Xavantinho, por ser um regional puro. Ele retruca - qual o problema em não ser puro? Chico Science não é, e é genial. E desafia: quem conhece alguma música deles? Eu não conheço. Agora, qual brasileiro nunca ouviu "É o amor". E por que Zezé não pode dizer "Eu não vou negar" se Nelson Gonçalves podia dizer "Negue o seu amor"? Pode e deve dizer, sem medo de ser brega. Afinal, o amor é brega.

Zezé di Camargo deve ser o cantor mais tocado no Brasil. Seu último lançamento pode até não ser o mais vendido do ano, mas dificilmente um artista tem uma carreira tão sólida como a dele. Afinal, "É o amor", música que o lançou, já tem 20 anos e seus shows continuam disputadíssimos, seu carisma inabalável, e seus álbuns são certeza de boas vendas e são pedidos nas rádios mais ouvidas país afora. Não é possível que seus milhões de fãs fiéis há tantos anos estejam enganados. O que só reafirma, que o que essas duas duplas têm chama-se TALENTO.

Mais que talento, a música sertaneja tem poesia. Pode ser poesia de corno, mas não deixa de ser poesia, afinal os cornos são bons poetas. Chico Buarque, Marcelo Camelo, e tem diversas músicas lindas de corno e são cool. Ou "Atrás da Porta" não é suficientemente direta e corna pra você? E inquestionavelmente linda, não?

Mais do que a dor do chifre, o sertanejo (agora sim o mais tradicional, tal qual o forró) fala da saudade. Sim, porque o caipira ou o sertanejo migraram pra cidade ou viram muita gente migrar. Sofreram horrores, com a falta da sua terra, de suas amadas e do "luar do sertão". Só que isso já faz tanto tempo, que hoje eles já tiveram filhos e netos na cidade grande, que já não tem porque usar chapéu de palha, então usam um fivelão e ainda querem cantar suas dores. Não era óbvio que o sertanejo deveria mudar com o passar dos anos?

E aqui está uma sequencia de bons motivos para eu tirar a poeira dos CDs de Chitãozinho e Xororó do meu pai, tão renegados na minha estante.

"Dá um vazio no peito, uma coisa ruim
O meu corpo querendo seu corpo em mim
Vou sobrevivendo num mundo sem paz"

Nuvem de lágrima - precisa tomar chifre pra gostar

"E no final do dia
O fogo faz companhia
E um violeiro toca pra gente sonhar
Aqui não se vê tristeza
Em meio a natureza
No coração sertanejo é que é o meu lugar "
Coração Sertanejo é recente e tão simpática quanto Vilarejo da Marisa Monte, mas mais apropriada para o violeiro.

"Quando a gente ama
E não vive junto da mulher amada
Uma coisa à toa
É um bom motivo pra gente chorar
Apagam-se as luzes ao chegar a hora
De ir para a cama
A gente começa a esperar por quem ama
Na impressão que ela venha se deitar"
Fio de cabelo é rica de imagem e de emoção - se não gosta é porque não tem coragem de confessar que já sofreu dor de cotovelo.

"Pegue a viola, e a sanfona que eu tocava
Deixe um bule da café em cima do fogão
Fogão de lenha, e uma rede na varanda
Arrume tudo mãe querida, que seu filho vai voltar"

Fogão de Lenha é do Xororó mesmo e até eu fico com saudade, né?

"No lugar da tristeza o aconchego
Invés da despedida a chegada
A profunda alegria no estradeiro
Que descobriu enfim sua pousada
Assim sou eu
Sou eu assim pensando em minha amada "
Pensando em minha amada

"Tô indo agora prá um lugar todinho meu
Quero uma rede preguiçosa prá deitar
Em minha volta sinfonia de pardais
Cantando para a majestade, o sabiá
A majestade , o sabiá"
Roberta Miranda manda bem (não é a Sula, tá)

Outras composições do CD que devem ser as músicas mais bonitas do mundo. E fala de saudade com uma poesia absurda:

"Quando vermelha no sertão desponta a lua
Dentro da alma flutua, tambem rubra nasce a dor
E a lua sobe e o sangue muda em claridade
E a nossa dor muda em saudade
Branca assim da mesma cor"
Luar do sertão

"No rancho fundo
Bem prá lá do fim do mundo
Onde a dor e a saudade
Contam coisas da cidade...
No rancho fundo
De olhar triste e profundo
Um moreno canta as máguas
Tendo os olhos rasos d'água...
Pobre moreno
Que de noite no sereno
Espera a lua no terreiro
Tendo um cigarro
Por companheiro..."

Ninguém menos que Ary Barroso escreveu essa linda letra, que estorou com o Chitãozinho e Xororó

"Não sei se a saudade fica ou se ela vai embora,
Se ela vai embora,porque gosta de mim "

Eita ombro bão de deitar

"Já ouço sonhando o galo cantando
O nhambu piando no escurecer
A lua prateada clareando a estrada
A relva molhada desde o anoitecer
Eu preciso ir pra ver tudo ali
Foi lá que nasci, lá quero morrer"
Adeus paulistinha do meu coração

6 comentários:

Nádia disse...

que lindo!

adorei sua defesa do sertanejo, deu muita vontade de (re) ouvir algumas músicas!

Diego disse...

po! nem pra mencionar milionário e josé rico!

Fábio disse...

Credo, muito ruim!

;)

Mas não tenho nenhuma vergonha em dizer que quase chorei depois de ver "Dois Filhos de Francisco".

A trajetória da dupla é mesmo incrível. Só por ela (como se fosse pouca coisa, né?), já são grandes vencedores, independentemente da qualidade musical.

Francini Barbosa disse...

Nossa, me dá sono (exceto Rancho Fundo)

O pior é o estilo americanizado aff...

Dia desses minha vizinha tava ouvindo Calcinha Preta (!) e uma das músicas fala da mulher pedindo pensão alimentícia. Apesar de absurdamente ruim, nunca tinha ouvido uma música falar desse assunto, achei interessante.

bjos mil

Judson disse...

A da pensão alimentícia é MUITO boa

Vanessa disse...

Me surpreeni muito ao ver alguem da grande cidade,rsrsrs defendendo o sertanejo...esse eh meu estilo,amooo.E me chateio muito ao ver pessoas futeis que nao tem cultura zombando disso...
Parabens...!