terça-feira, 23 de setembro de 2008

Cabresto

A atriz gravidíssima Lavinia Vlazak aparece todas as noites na TV explicando para os eleitores não venderem seus votos. Nunca conheci alguém que recebeu ou que teve ofertado R$ 100 (ou um par de sapato ou um saco de farinha) para votar em algum candidato, seja do executivo ou legislativo. É que o tal voto de cabresto não funciona exatamente assim. Há formas mais sútis, sedutoras e certeiras para comprar votos dos eleitores.

Uma delas e a mais eficiente é o chamado "trem da alegria" e funciona para a manutenção de poder. O governo em vigor contrata um bom número de funcionários sem concursos públicos ou os legisladores contratam para seus gabinetes inchados. Eles não tem a estabilidade de um estatutário, e sua função por ser criada como um "cargo de confiança" está ligada ao mandato daquele político. Pronto, está ganho os votos dos funcionários, seus amigos e familiares. Se o contratado à perigo for alguém popular em sua comunidade, por exemplo ligado a uma escola de samba ou entidade religiosa, ganha votos de forma exponencial. Já ouvi esses contratados dizerem que votariam por gratidão por quem lhe deu emprego (emprego é trabalho remunerado, logo, não é um favor). Mas é mais do que gratidão, os contratados votam por medo, quase uma ameaça, uma espécie de coronelismo.

O pior que conheço algumas pessoas (bem instruídas) que vendem seu voto dessa forma. O medo é mais forte que qualquer racional ou ideologia.

OBS: é claro que não se pode julgar quem vende seu voto por medo. Afinal, o pão de cada dia é que está em risco. É bem provavel que eu também venderia numa condição dessa.

3 comentários:

Fábio disse...

Bem lembrado. Mas é bom dizer que nunca-antes-neste-país um "trem da alegria" foi tão escancarado e eficiente quanto no governo atual.

E há, ainda, outras formas de compras de voto, até menos sutis: o Bolsa-Família, que é excelente e fundamental, sem dúvida, foi um pouco distorcido em relação ao projeto original criado pelo Cristóvam Buarque quando governador do DF e implementado, ainda que timidamente, por FHC com o nome de Bolsa-Escola.

O resultado dessa distorção é inevitável: um mega-hiper-master voto de cabresto por quem é beneficiado por uma esmolinha aqui e outra acolá.

Enfim, na boa, uma vergonha, para falar em bom português.

Bel disse...

Alguém avisa a Lavínia Vlazak, por favor? Ela aparece a cada 10 minutos e com todas as roupas do mundo, hehe.
Bjos

Francini Barbosa disse...

eu também já ouvi amigos meus pedirem isso, foi chocante.

Lavínia Vlasak = sono