quinta-feira, 13 de novembro de 2008

O fim da raça

Eu não sou tão esperançosa assim a ponto de achar que os Estados Unidos elegeram no último dia 4 de novembro o “salvador” do mundo, e até desconfio que Obama seja mesmo o agente da mudança. Haverá mudança, sim, mas não sei se a que irá suprir toda a expectativa criada. George W. Bush foi o presidente mais impopular dos Estados Unidos, que além da Guerra do Iraque ainda deixa como legado uma crise econômica pavorosa. A mudança, mesmo que menor que a aclama, chega tarde até.

A crise econômica fez os norte-americanos clamarem por mudanças. Quando as coisas não vão bem, principalmente em nossos bolsos, a gente deseja novas apostas. Acredito que os Democratas elegeriam outro nome (como Hilary) não fosse Obama, pois ficaria muito dificil para os Republicanos terem outro presidente pós-Bush. Porém, Obama tinha mais cara de mudança do que Hillary, além de ter um marketing e carisma absurdos.

Mas 4 de novembro de 2008 ficará para história não por ser o dia em que um novo presidente que promete mudanças chega a Casa Branca, mas por esse homem ser negro. O afro-descendente mais poderoso do mundo e prova a frase de seu belo discurso, que a democracia pode tudo. Quarenta anos após a segregação negra nos Estados Unidos, os eleitores mostraram que a mudança é tão bem-vinda que a raça não importa.

E esse é o mais importante, a raça não ser relevante. Acredito que Obama não foi eleito por ser negro. Embora, uma multidão negra saiu de casa para dar seu voto a Obama, acredito que boa parte desses não votaria se a candidata negra fosse a Sra Rice, mulher e negra, porém Republicana e a Sra da Guerra.

A raça acabou no dia 4/11/2008.

4 comentários:

Francini Barbosa disse...

Superaram o racismo porque tem gente perdendo casa a rodo com a crise.

Mas se as coisas derem errado o racismo volta correndo, pode apostar.

bjos!

Milena disse...

Fran, não dá pra esquecer que a maior vitória de Obama não foi conta McCain, que perderia de qualquer Democrata. A maior vitória dele foi contra Hillary Clinton - candidata branca e de grande peso, que comeu poeira na corrida com Obama.

Nádia disse...

até arrepiou, ai..!

Diego disse...

"40 anos após a segregação..." Não dá pra esquecer que segregação ainda existe, e muito!