quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

Jantar à luz de velas

Eu mesma preparei o molho ao sugo e branco para lazanha, e caprichei camada por camada. Coloquei toalha de mesa na sala de jantar, taças de cristais, velas, e como não tinha vinho, foi suco de uva mesmo. Vesti preto, com etiqueta e tudo, afinal era emprestado.
Enquanto eu preparava tudo, a personagem da novela seguia o mesmo roteiro: velas, pretinho, jantar. E eu sentia que minha vida tinha algo de novela ou filme, com a cena que já se repetiu em milhares deles.
Quando ele chega, as luzes ainda estavam acessas. Então peço para ele esperar, afinal não teria graça ele ver tudo antes. Ele se irrita por ter de esperar e entra. Fico frustrada pela surpresa não ter dado certo. Mas volto ao clima e coloco o meu CD do Vinicius com Maria Creuza. Ele não gosta da música, acha muito dor de cotovelo, ri ao achar minhas etiquetas penduradas e pede refrigerante.
A surpresa não deu certo. Não consegui ser sexy, tampouco sofisticada. E fiquei com um bico enorme por causa disso. Só que ele (ai, ai, ele) me mostra que o motivo é de alegria. Afinal, ele sempre gostou dos meus sanduíches, do perfume e roupas de sempre e que só veio para estar comigo.
Eu quis quebrar a rotina, mas a felicidade estava nela mesma. Minha doce rotina de ser amada todo dia e de ser criança (e não sexy, ou sofisticada) ao lado do meu bebê.

3 comentários:

Fábio disse...

Foi uma noite meio Isabel-Renato então, é? Que coisa fofa!

Sorte ao casal e, principalmente, a você, sempre.

Besos!

Marina disse...

Oi. Muito obrigada mesmo, pela atenção, mas meu nome tá sujo..... não consigo conter as lagrimas viu amiga..... espero esse show desde 97.... a frustação que me condena

Francini Barbosa disse...

Lindo!

Só discordo de uma coisa: te acho supersexy (com todo o respeito, rs...)

bjocas