sexta-feira, 2 de março de 2007

Sua segunda vida

Em algum momento da vida, principalmente na adolescência, todo mundo já deve ter se simpatizado com o anarquismo. Hoje, sou um pouco conservadora e tô com o Hobbes "O homem é o lobo do homem". Penso que seria um caos, exponencialmente pior ao que vivemos hoje.

Os simpatizantes do anarquismo são terminantemente contra o capitalismo (contra o socialismo também, mas o capitalismo é o inferno deles). E eles estão certos. O capitalismo é o "demo" e leva tudo com ele para esse mundo dark. Primeiro, são os souvenirs do Che Guevara, corrompendo os pseudo-comunas e agora o Second Life (o mundo virtual 3D, que mistura jogo, rede social e negócios).

Ele se propõe a ser o lugar onde você pode ser quem você quiser e fazer qualquer coisa que desejar. A proposta é muito similar a do Raulzito "Faça o que tu queres pois é tudo da lei". Então,se você no mundo real, não tem a cara de pau de mandar seu chefe para aquele lugar, pode fazer no mundo virtual. Se o anarquismo e a falta de hierarquia social seria caótico, os capitalistas montaram o anarquismo virtual, uma idéia genial que já tem mais de 4 milhões de moradores nessa sociedade alternativa.

Porém a proposta anarquista do Second Life pára por aí. Os mais espertos estão faturando horrores com essa brincadeira. Uma alemã já vendeu US$1 milhão em terrenos do Second Life.
Isso porque nessa pseudo-anarquia, você é livre, desde que tenha dinheiro para manter seu avatar(o similar a vc dentro do Second Life): cortar o cabelo dele, comprar roupas, ir a shows, construir uma casa, ter movimentos, etc. Se você é feio ou gordo, seu avatar pode ter as formas da Sharon Stones ou Rodrigo Santoro. Dá até pra ir a um show do seu ídolo que nunca vem ao Brasil, e encontrar pessoas do mundo inteiro. Enfim, ser e fazer tudo aquilo que você sempre sonhou, mas n coisas não lhe permitiram.

Nada disso é essencial para continuar no jogo, mas as diferenças sociais são transferidas da vida real. E você deve ser bem rico para poder esbanjar grana em sua segunda vida. Pelo menos nessa encarnação estou fora do Second Life.

2 comentários:

Fábio disse...

Tô fora desse trem, credo... Uma vida só já dá muito trabalho, né não? :)

Francini Barbosa disse...

Concordo, uma vida só já cansaaaaaaaaaaaaaaaaaa...

E aquele outro negócio, acho que chama Elisa: vc escreve tipo "estou triste", e ela responde "qual o problema?" (ou alguma coisa assim, sei lá...)

É cada uma...