quinta-feira, 28 de junho de 2007

Democracia Racial Brasileira

- Uma empregada doméstica é espancada no Rio por jovens da classe média enquanto esperava um ônibus às 5 da manhã.
Como defesa, os garotos disseram que "pensavam ser apenas uma prostituta". (Remete ao caso do índio Galdino em Brasilia, em que os agressores também playboys pensaram ser "apenas" um mendigo")

- A UFRGS amanheceu com pichações - "Negro só se for na Cozinha, cotas não!" e "Voltem para senzala".
As manifestações fazem parte do tumultuado processo de implantação do sistema de cotas na universidade. O Conselho Universitário, que iria votar a adoção do sistema na semana passada, foi impedido de discutir o assunto por grupos de manifestantes que tomaram a reitoria para fazer pressão.

- Na UNB, incendiaram quartos de estudantes africanos.

- Dois sobrinhos do embaixador do Uruguai foram com o carro do tio (um Corola) até o shopping Iguatemi. Dois policiais os pararam, revistaram, chutaram, nada encontraram, mas os levaram para delegacia.

- A primeira protagonista negra em uma novela brasileira foi em 2004. Taís Araujo em "Da cor do Pecado".

Que é isso? "O racismo não existe no Brasil, a convivência entre brancos e negros é harmoniosa no Brasil".

É sim, desde que os negros fiquem da porta pra fora, façam uma festa bonita no Carnaval e vivam alegremente para servir aos brancos. Agora, ser protagonista, universitário, ter bom carro e passear pelo shopping de bairro nobre já extrapola a tolerância, né.

Essa é a democracia Racial Brasileira. Esse é o nosso homem cortês.

Um comentário:

Fábio disse...

Se o Brasil não é racista, eu sou o Papai Noel.